Facebook

Gadgets

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Em Audiência: Autoridades e Sociedade unem força em prol da retomada da construção do Hospital Regional de Rosário

Renato Waquim (Rosário Notícias)     junho 22, 2015  6 Comentários

Necó no plenário falando sobre a paralisação da obra do hospital e apresentando propostas para deliberação na audiência

Rosário-MA: A pedido do vereador Pedrosa Filho (PSB), mais conhecido como Necó, na última sexta-feira (19) foi realizada uma Audiência Pública sobre a paralisação da obra de construção de um hospital regional de 50 leitos em Rosário.

O evento que reuniu pouco mais de 100 pessoas foi considerado positivo e deliberou algumas medidas que nortearam os próximos passos da causa que uni personalidades de diferentes posicionamentos políticos, pois reuniu poder público municipal (executivo e legislativo), dois gestores regionais do Governo do Estado do Maranhão e a sociedade civil que foi representada por conselheiros da saúde, agentes e outros profissionais de saúde, militantes da causa como o sindicalista/mobilizador social Sr. Reinaldo Lima, além de líderes comunitários, por exemplo, os das Vilas: São José, Ivar Saldanha, Bacural e São Domingos. Apenas quatro secretários municipais participaram, Nonato Torres (Turismo) que representou os demais e a prefeita após sua saída, além de Alexandre Aquino (Governo), Valber Neto (Juventude) e Silvestre Teles (Ciências e Tecnologia).

A audiência também foi marcada por algumas ausências de autoridades que foram convidadas, entre elas: a secretária municipal de Saúde, Maricéia Rodrigues que foi representada por seus assessores; de representantes da Promotoria de Justiça de Rosário; de representantes da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão; da maior parte dos vereadores (alguns nem se justificaram) e principalmente por causa da ausência do secretário de Estado da Saúde, Marcos Pacheco que não se preocupou nem em mandar um técnico.

Autoridades e representantes da sociedade civil unem força em prol da retomada da obra de construção do Hospital Regional de 50 leitos de Rosário



Durante a audiência foram deliberados o seguintes itens:
#União de todos os presentes na causa;
#Pedir ao Ministério Público que seja feita uma comissão para verificar “in loco” a situação;
#Moção de repudio ao secretário de estado da Saúde Marcos Pacheco com encaminhamento ao mesmo;
#Marcar audiência com a Secretaria de Estado de Infraestrutura;
#Marcar audiência com o Ministério Público Federal;
#Marcar audiência com a Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão;
# Procurar a imprensa para publicidade após a conclusão do relatório da ata.


Vereador Pedrosa Necó apresentando 
O vereador Pedrosa Filho explicou que o encaminhamento será feito através de relatório desta Audiência Pública solicitando ao Ministério Público  que apurar e crie uma comissão para emitir um parecer e verificar “in locu” o desvio de recurso.  “O recurso tem que aparecer porque agora com menos de 14 milhões não se faz a obra. Então o Governo do Estado (Flávio Dino) tem que ser ousado, apurar e garantir a construção do hospital. E quem gastou o recurso tem que pagar, tem que ser responsabilizado. Rosário é vitima de vários projetos mirabolantes, factoides, chega! É Refinaria, é cooperativa de confecções, é Italuís,  chega! Basta!”, disse Necó.



O plenário e o fundo da imagem pode ser vista a galeria da casa parlamentar

População na galeria da Câmara Municipal

Líder comunitário Flaymem e o gestor Regional de Saúde Willame Anceles



Mesa diretora da Audiência Pública

O gestor Regional de Saúde, Willame Anceles
Willame Anceles justificou a ausência do Secretário de Estado da Saúde Marcos Pacheco. Ele ainda explicou que o secretário de Estado não desistiu da obra, mas que neste primeiro momento o Governo estaria priorizando obras mais adiantadas e/ou de menor custo, e lamentou a ausência dos vereadores e da secretária municipal de saúde.

Ele que é gestor regional de Saúde ainda fez um apelo para que a Prefeitura de Rosário volte a realizar serviços que foram findados em 2013 pela atual gestão, o que acabaria com o sofrimento dos pacientes rosarienses, principalmente as gestantes e aqueles que precisam de pequenos procedimentos cirúrgicos.



Militante da causa, líder sindical e mobilizador social, o Sr. Reinaldo Lima representou a sociedade civil
O sindicalista e mobilizador social, Reinaldo Cantanhede Lima lamentou o que classificou como desinteresse da Secretaria de Estado da Saúde e também criticou o abandono por parte da Prefeitura no que diz respeito a saúde pública. 

Reinaldo Lima disse que foi encaminhado um oficio ao secretário de Estado Marcos Pacheco via Gerência Regional de Saúde e até hoje a Secretaria nunca mandou uma resposta. 

Sobre a saúde municipal,  frisou que os pacientes de Rosário estão vivendo uma odisseia para buscar atendimento nas cidades vizinhas, em uma situação que classificou como vergonhosa, tanto por parte do Estado como da Prefeitura. Por fim, deixou a sugestão para que a prefeita Irlahi Moraes avalie e não tendo condições de manter o hospital Municipal que devolva para o Estado.

Sr. Reinaldo Lima

Mesa diretora: Willame, Léo Cavalcante, Necó, Irlahi Moraes e Calvet Filho


Autoridades e Sociedade Civil no Plenário da Câmara Municipal de Rosário

Sr. Reinaldo Lima foi quem começou a luta pela construção da obra após a licitação

O gestor Regional de Articulação Política, Calvet Filho 
Calvet Filho, gestor regional de Articulação Política, destacou que o Governo do Estado acertou em manter a paralisação neste primeiro momento para realizar uma apuração dos fatos e lembrou que essa questão da saúde em nossa cidade não é uma questão de agora. O gestor ressaltou que as obras de construção foram paralisadas no governo estadual passado, um governo que iniciou e parou as obras, naquilo que classificou como estelionato eleitoral. Disse que agora é a oportunidade do Governo Flávio Dino retomar a construção de forma limpa e transparente ao contrário do anterior. 

Lembrou que entregou um ofício ao governador solicitando a remada da construção do hospital de 50 leitos e que tem feito a sua parte como gestor em prol da obra. 

Por fim, fez duras críticas a situação como tem sido tratada a saúde pública municipal, ao classificar que nas gestões municipais anteriores a saúde de Rosário estava na semi-UTI e que o governo Irlahi deixou na UTI de fato.. 
A prefeita de Rosário, a Sra. Irlahi Moraes rompeu o silêncio e finalmente entrou publicamente na briga pela retomada da obra
A prefeita de Rosário, Irlahi Moraes disse que foi na Secretaria de Saúde, onde conversou com secretário estadual o Marcos Pacheco que teria dito que a obra não vai parar e que se escolheu primeiro alguns hospitais para que conclua depois outros, inclusive o de Rosário. 

Ainda de acordo com Irlahi, o secretário de Estado da Saúde teria dito que a obra não é mais competência dele e sim da Secretaria de Estado de Infraestrutura.

A prefeita destacou também a dificuldade de tentar agendar reuniões com secretários de Estado, pois as vezes se perde um dia inteiro para conseguir uma reunião e que isso é complicado devido aos afazeres de prefeita.

Para finalizar, ele disse que a população de Rosário nunca viu um prefeito que tanto trabalhou quanto ela, deixando de lado a família e seu eterno namorado para viver para o povo de Rosário e melhorando a saúde municipal.
Irlahi Moraes

Irlahi Moraes

O vereador Léo Cavalcante que participou da mesa diretora representando os demais vereadores
Para o vereador Léo Cavalcante este é o melhor momento para se conseguir algo junto ao governador Flávio Dino! Lembrou que nunca viu a cidade de Rosário tantas pastas importantes no Governo do Estado do Maranhão, porque três gestores regionais são rosarienses.

 Finalizou cobrando união entre autoridades e representantes da sociedade civil para correr atrás da retomada da obra do hospital.
A conselheira municipal de saúde, Kátia Oliveira representou a Sociedade Civil 
A conselheira municipal de saúde, Kátia Oliveira, destacou que a luta pelo hospital regional não pode parar na Audiência Pública.

Kátia também falou sobre os rumos da saúde municipal e proporcionou um belo discurso que foi muito aplaudido pela população, dizendo que não existe atenção nenhuma do governo municipal em relação a saúde junto aos conselheiros. E que eles ainda estão conselheiros devido a uma insistência em querer ver algo melhor acontecer, pois a Secretaria Municipal de Saúde na maioria das vezes não informa nada, muito menos convoca os conselheiros e que só participaram da audiência porque ouviram anunciar, ou seja, uma falta de respeito tendo em vista a falta de estrutura para quem precisa fiscalizar.
Kátia falando tudo aquilo que o povo de Rosário tinha vontade de falar para a prefeita Irlahi que logo em seguida deixou a audiência

O vereador Pedrosa Filho, o Necó com a planilha de dados e aditivos
O vereador Pedrosa Necó disse que se for preciso apoiar a realização de um acampamento na porta da Secretaria de Estado da Saúde, pois o Estado nos deve uma esclarecimento! Necó disse que acredita que ele vai construir um hospital, mas ressaltou que agora sehouver acomodação a obra não vai acontecer, como o Reinaldo Lima provocou com propriedade no passado e fiquem certos de que irá ao Palácio, a Assembleia Legislativa e onde for necessário juntamente com quem quiser lhe acompanhar nesta causa. 

Ele apresentou um documento que chegou há poucos dias de uma petição que protocolada junto à Secretaria de Estado denunciando indícios de desvio de mais de 4 milhões de reais da obra de um valor total de 18 milhões reais. Ele destacou que num primeiro momento não fui atendido no prazo constitucional, sendo obrigado a provocar a Procuradoria Geral do Estado que notificou a Secretaria de Estado da Saúde, esta por sua vez informou através de documento oficial com planilha com plano de trabalho e tudo. Necó destacou que segundo o documento, 25% do recurso do BNDS já foram pelo ralo com a terraplanagem. Pois foram pagos até a presente data o valor de R$ 4.856.696,10. 

Finalizou informando que o encaminhamento desta Audiência Pública será feito ao Ministério Público Federal para apurar e criar uma comissão com objetivo de emitir um parecer e verificar "in locu" o desvio de recurso e cobra um posicionamento oficial do Governo do Estado do Maranhão.  



O vereador foi quem presidiu a Audiência Pública e de forma brilhante





Populares acompanhando a Audiência Pública

População acompanha atentamente a Audiência Pública

Imagem da população na galeria da Câmara

População participou ativamente, inclusive com formulação de perguntas

Vereador Necó foi muito aplaudido pelos populares presentes durante o evento


O vereador Jardson Rocha
O vereador Jardson Rocha lamentou que o secretário Marcos Pacheco não tenha vindo e nem tenha mandado um técnico para esclarecer a situação e responder de forma oficial as perguntas sobre a obra que se encontra parada. 

De acordo ele, é uma tremenda falta de respeito! E frisou que espera que o secretário e o governador Flávio Dino entendam que a construção do Hospital regional é uma necessidade real e urgente de Rosário e Região.
O vereador Magno Nazar (PRP)
O vereador Magno Nazar destacou a responsabilidade da empresa com a obra tendo em vista o recurso que foi gasto. Frisou que os recursos oriundos da construção desse hospital não é do Governo do Estado, mas do federal, através do Banco Nacional do Desenvolvimento Social (BNDS).

 De acordo com Magno, por força de lei essa empresa que ganhou a licitação  de 18 milhões de reais tem  obrigatoriedade de continuar e concluir a obra e, aí é que entra o Governo do Estado, segundo ele. 

Destacou também que o Governo do Estado é culpado, sim, porque está parado e não dá uma satisfação ao povo de Rosário e região.
O vereador Jorge do Bingo (PTdoB)

O vereador Jorge do Bingo culpou a gestão passada da ex-governadora Roseana Sarney por ter começado a obra e não ter concluído se quer a terraplanagem, muito menos sem ter dado satisfação sobre a paralisação. 

Para Jorge, a ex-governadora Roseana Sarney costumava construir “elefantes brancos” que se tornaram verdadeiras pragas na cidade e mesmo depois da expressiva votação em 2010 deixou esta bomba inacabada que o governo atual infelizmente ainda não se posicionou. 

Lembrou de projetos estaduais que se tornaram verdadeiros engodos em Rosário, por exemplo, a tubulação para Italuís com objetivo de trazer água do Rio Itapecuru para a cidade de Rosário com um novo encanamento, lembrou ainda da fabrica de coco babaçu, da fábrica de calçados, da fábrica de confecções, da Refinaria Premium I, e e que espera que o Hospital Regional de Rosário não tenha o mesmo fim.
O líder comunitário Damaceno representando a comunidade da Vila São José que desde o começo também fazem parte desta luta


Todos em prol da retomada da construção do Hospital Regional de 50 leitos de Rosário

, , ,

6 comentários :

  1. Parabéns Necó e todos que participaram.

    ResponderExcluir
  2. A secretária de saúde de Rosário só quer ser na secretaria e só vive compartilhando coisas contra os adversários nas redes sociais mais quando é fazer o serviço dela ela não fala mais bem feito que pegou uma bronca de Irlahi por não ter coragem de ter ido enfrentar os vereadores, conhselheiros e o povo.

    ResponderExcluir
  3. Irlahi deveria ter vergonha na cara de dizer que foi dos prefeitos que passaram quem mais trabalhou isso é uma piada de mal gosto e parabéns Necó pela brilhante iniciativa.

    ResponderExcluir
  4. Kátia botei foi fé em ti por botar Irlahi pra correr!!!

    Agora essa Mauricéia fugiu do pega pra capar e deixou a prefeita em sinuca de bico mais também Irlahi reclamou foi muito da covardia dela.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns a todos, em especial ao vereador Necó que tem trabalhado muito em prol da nossa cidade.

    ResponderExcluir

Blog de Notícias de Rosário e Região


Os comentários não representam a opinião deste blog, a responsabilidade é única e exclusiva dos autores das mensagens.

Recent comments

Social

Recent Comments

Apagar

Últimas postagens

Deixe o seu recado

Advertise Here

Photography

Destaques

Gallery

RN no Facebook

About Us

Tempo