Facebook

Gadgets

terça-feira, 14 de abril de 2015

Chamada de voz no WhatsApp obriga operadoras a repensarem seu futuro

Renato Waquim (Rosário Notícias)     abril 14, 2015  Sem Comentários

Chegada de novo recurso em um dos aplicativos mais populares do Brasil acende a luz amarela para as operadoras tradicionais, que tomam posição para enfrentar a nova realidade da experiência móvel
Por Murilo Roncolato


 As operadoras de telefonia móvel estão determinadas a assumir em 2015 a postura que já vinham ensaiando nos últimos anos, aliando-se a aplicativos de mensagens e voz. A aproximação com os antigos “inimigos” é hoje a principal estratégia de empresas como TIM e Oi para reerguer suas receitas, afetadas por clientes que fazem cada vez menos ligações pelo celular e sequer lembram do SMS no seu dia a dia.
O doutorando Flavio Thihara é um deles. Seja em casa, na rua ou na universidade, o pesquisador de tecnologia nuclear só se comunica por meio do WhatsApp, Skype e Viber. “O app que eu uso varia de acordo com quem vou falar, mas SMS eu não uso mais. O telefone normal eu uso só para falar com meus pais, e mesmo assim com a minha mãe eu troco mensagem e áudio pelo WhatsApp todo dia.”
Thihara diz que já usa muito as ligações por meio do WhatsApp, principalmente para falar com amigos no exterior. “Com ele, eu consigo saber quando a pessoa está online, é mais conveniente. Mas só uso quando estou em algum lugar com Wi-Fi, porque se não o sinal fica ruim.”
O estudante Marcos Freire, de 18 anos, segue na mesma linha, mas é mais radical. “Cara, eu odeio falar no celular. Falo só o necessário, o muito necessário mesmo”, diz. Para ele, que usa o WhatsApp para se comunicar com colegas do trabalho e da faculdade, o texto é preferível pela comodidade de responder quando quiser. “Até com meus pais, eles só usam WhatsApp, tanto para texto quanto voz.”
Segundo estudo feito pelo Ibope a pedido da Qualcomm, 26% dos brasileiros possuem smartphone; destes, 89% dizem se comunicar por meio de apps de mensagens (uma alta de 164% em relação a 2013). Dentre as principais atividades com o celular, menções a chamadas telefônicas caíram 64%.
O surgimento de apps como WhatsApp, Viber, Facebook Messenger e Skype, além do japonês Line e do chinês WeChat, afetou diretamente o uso de SMS. Algo semelhante deve acontecer com voz como resultado da popularização de recursos de voz por IP, recurso que permite fazer chamadas a outros usuários pela internet, e que passou a ser oferecido pelo WhatsApp a usuários Android desde o início deste mês.
À primeira vista, o fato não deveria ser uma preocupação, já que outros aplicativos já ofereciam essa possibilidade antes, mas a história muda quando se leva em conta que o WhatsApp é um dos aplicativos mais populares entre os brasileiros na atualidade.

Virada
A empresa de consultoria e análise Ovum prevê que o ano será de virada no setor, com o avanço da participação da receita de dados ultrapassando a de voz e SMS em nível global. No Brasil, no entanto, voz ainda é dona da maior parte do bolo.
Dentre os ganhos gerados pelo celular no último trimestre de 2014, os dados responderam por 38,6% do total na Vivo (ante 32,4% do período no ano anterior). Na Oi, representaram 33,9% (contra 26,6%) e, na TIM, 30,9% (contra 23,2%).
A “virada” eventualmente chegará também ao Brasil. Certamente não em 2015, mas, segundo as próprias operadoras, não deve demorar.
Para Roberto Guenzburger, diretor de produtos de mobilidade na Oi, os dados mostrarão na receita a importância que ganharam nas empresas antes do que se imagina. “Veja as vendas de smartphones, aparelhos que levam o usuário inevitavelmente a comprar um pacote de dados. Para esse ano, as perspectivas de venda de celulares 2G são próximas de zero. Em três anos, não veremos mais nenhum.”
Segundo dados da IDC, em 2014 foram vendidos 70 milhões de celulares no Brasil. Destes, 78% eram smartphones (3G e 4G). A empresa prevê ainda que a participação de aparelhos 4G saltará de 15% para até 35% em 2015.
Diante do novo contexto, nos últimos anos, as operadoras tiveram que se ajustar, reorganizar a estrutura da própria empresa, rever foco do investimento e até mesmo redefinir que é rival ou aliado.
Guenzburger lembra que na Oi havia uma unidade de trabalho separada para cuidar de internet móvel. “Quando você segrega uma área, é porque é um assunto pequeno. Hoje colocamos todos juntos, não faria sentido ser diferente”, diz. O executivo afirma que o investimento em serviços móveis da Oi neste ano foi ajustado e está inteiramente voltado para dados, focados principalmente em 3G, 4G e criação de pontos de Wi-Fi.
Segundo Roger Solé, diretor de Marketing da TIM Brasil, a empresa está se adequando à nova realidade, começando pelo foco nos investimentos. Em fevereiro, a TIM anunciou seu planejamento trienal até 2017, que prevê investimentos da ordem de R$ 14 bilhões em mobilidade (o anterior era de R$ 11 bilhões). “A mudança foi necessária. Agora precisamos investir mais em dados. É uma questão de estratégia e vai tomar essa decisão quem quiser se sobressair nesse mercado agora”, diz.
App gratuito
Solé diz que a empresa aprendeu nesse meio tempo a enxergar as possibilidades trazidas pelo meio online, no qual “é possível fazer muito mais coisas” e que “são muito mais interessantes” que as tradicionais. “Nós temos o produto que todos querem, que é a conexão móvel. Em vez de ficar chorando que os apps estão substituindo nossos produtos, estamos criando novas oportunidades.”
A estratégia adotada não só pela TIM, mas pela Oi e outras diversas operadoras no mundo é a de “zero rating”. O conceito se refere à prática de oferecer planos que garantam ao usuário o uso de algum aplicativo sem que nada seja descontado do seu pacote de dados.
A TIM tem uma parceria com o WhatsApp (que só não cobre chamadas feitas por VoIP) e com o app de música Deezer. “São produtos que têm milhões de usuários. Vamos continuar com isso no futuro. Queremos tornar nossa operadora em uma grande plataforma de serviços digitais”, diz Solé.
Já a Oi selou parcerias com Facebook, Twitter, Opera e outros apps. Para Eduardo Tude, da consultoria Teleco, esses acordos evidenciam a relação de simbiose que deve conduzir o setor. “As operadoras sabem que o futuro delas é receita de dados. Quando ela investe em 3G e 4G, passa a depender também desses apps, porque são eles que vão atrair o usuário a comprar pacote de dados”, diz. “Hoje não há mais conflito entre operadoras e aplicativos, porque um precisa do outro.”


Fonte: Estadão.

0 comentários :

Blog de Notícias de Rosário e Região


Os comentários não representam a opinião deste blog, a responsabilidade é única e exclusiva dos autores das mensagens.

Recent comments

Social

Recent Comments

Apagar

Últimas postagens

Deixe o seu recado

Advertise Here

Photography

Destaques

Gallery

RN no Facebook

About Us

Tempo