Facebook

Gadgets

quinta-feira, 26 de março de 2015

MARGUSA encerra atividades em Bacabeira e mais de 500 perdem empregos

Renato Viana Waquim     março 26, 2015  1 Comentários

Sede da MARGUSA

Por  Ribamar Cunha

Após 17 anos em operação produzindo ferro-gusa no município de Bacabeira, a Maranhão Gusa S/A (MARGUSA) encerrou suas atividades e mais de 500 trabalhadores diretos perderam o emprego. A empresa se junta à Companhia Siderúrgica do Maranhão (COSIMA), em Pindaré-Mirim, e Ferro Gusa do Maranhão (Fergumar), em Açailândia, que paralisaram as atividades por causa da crise do setor.

A Margusa, que produzia em torno de 240 mil toneladas por mês, funcionava com dois altos-fornos. Mas a empresa não suportou o agravamento da crise que vem se arrastando desde 2008, sendo obrigada, então, a paralisar suas atividades por causa da falta de mercado para o ferro-gusa, matéria-prima do aço, e também pela baixa no valor do produto.

Segundo o secretário do Sindicato das Indústrias de Ferro Gusa do Estado do Maranhão (SIFEMA), Cláudio Azevedo, para cada emprego gerado na siderúrgica, cinco são criados em outras áreas da cadeia produtiva – plantio e colheita de eucalipto, produção de carvão, transporte. Ou seja, cerca de 2.500 empregos diretos indiretos foram eliminados.

Cláudio Azevedo
Ontem, Cláudio Azevedo estava em Açailândia, onde a crise também se agrava. Ainda estão operando, mas com apenas 30% de sua capacidade produtiva, as siderúrgicas Gusa Nordeste, Viena, Pindaré e Guarani (antiga Simasa).

Demissões - De acordo com informações do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Açailândia e Região (STIMA), desde janeiro mais de 150 empregados foram demitidos pelas guserias instaladas no município.

“O polo siderúrgico de Açailândia possuia, em 2007, em torno de 6 mil empregados diretos. Com a crise [iniciada em 2008], esse número caiu para 3 mil e hoje tem pouco mais de 2.200 empregados de forma direta”, contabilizou o presidente do Stima, Jarles Adelino.

Ele disse que recebeu notificação da Gusa Nordeste, empresa do grupo Ferroeste, responsável também pela Aciaria em instalação no município, informando que a partir de abril dará férias coletivas a 50% do quadro e empregados da siderúrgica. “Em maio serão dadas férias coletivas aos outros 50%”, assinalou.

Segmentos - Jarles Adelino informou, também, que outros segmentos econômicos estão sendo afetados pela crise no setor guseiro. Ele relatou o caso de uma empresa de montagem industrial que operava com 800 empregados e demitiu mais de 600 desses trabalhadores.

Essa situação de crise que afeta os setores de serviços que operam no entorno do pólo siderúrgico também preocupa a Associação Comercial e Industrial de Açailândia (Acia). “Muitas empresas vivem em torno do polo siderúrgico. Se o mercado não reagir, as guserias vão fechar as portas, causando grandes prejuízos à economia do município”, lamentou o vice-presidente da Acia, Lucimar Cordeiro.

Fechamento de guserias poderá afetar 15 mil.

Caso as quatro siderúrgicas que ainda operam em Açailândia encerrem suas atividades, cerca de 15 mil pessoas, entre funcionários diretos e familiares, e empregados de empresas que atuam como fornecedoras de produtos e serviços ao setor, serão afetados.

No mês passado, segundo o Sindicato das Indústrias de Ferro Gusa do Estado do Maranhão.

(SIFEMA), o setor guseiro registrou o maior prejuízo da história:

US$ 4 milhões de perda de receita. O prejuízo foi causado pela baixa do ferro-gusa no mercado, com uma queda de 45% e pela falta de demanda. Atualmente, há 180 mil toneladas de gusa estocadas nos pátios das guseiras.

Diante desse agravamento da crise, o SIFEMA está buscando o apoio do poder público.

Ao Governo Federal, a entidade solicitou que as siderúrgicas sejam beneficiadas com o reembolso dos valores referentes a custos tributários residuais do PIS e Cofins existentes nas cadeias de produção, assegurados pelo Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras (Reintegra). Como também a disponibilidade de uma linha especial de crédito para que o setor guseiro possa transpor esse momento de dificuldade.

Na esfera maranhense, o Sifema buscou do Governo do Estado a sensibilização para que libere créditos do ICMS aos quais as empresas têm direito por serem exportadoras.



Mais

- Em pleno agravamento da crise do setor guseiro, siderúrgicas e Sindicato dos Metalúrgicos de Açailândia estão em negociação da data-base dos trabalhadores.

- Mas até agora não se chegou a um entendimento entre as partes. Isso porque, o sindicato não aceita congelamento de salário, que teria sido proposto pela Sifema.



Números

500 Trabalhadores perderam o emprego com o fechamento da siderúrgica MARGUSA, em Bacabeira

240 Mil toneladas por mês era a produção da Siderúrgica Margusa, que encerrou suas atividades.

, , ,

Um comentário :

  1. Muito triste, a câmara de Rosário deveria fazer um minuto de silêncio na próxima sessão por causa deste fechamento já que quase 60 % dos funcionários eram de Rosário.

    ResponderExcluir

Blog de Notícias de Rosário e Região


Os comentários não representam a opinião deste blog, a responsabilidade é única e exclusiva dos autores das mensagens.

Recent comments

Social

Recent Comments

Apagar

Últimas postagens

Deixe o seu recado

Advertise Here

Photography

Destaques

Gallery

RN no Facebook

About Us

Tempo